Notícias

Atualizado em 14/08/2019 às 19h57

Economia de Santarém e região terá novo patamar com terminal hidroviário, avalia Nélio Aguiar

Diferentes segmentos da economia aguardam com ansiedade a entrega do terminal hidroviário de Santarém, que está sendo construído na área da antiga fábrica da Tecejuta, no bairro Prainha. O investimento é do Governo do Estado do Pará e chega a aproximadamente R$ 60 milhões. Após a conclusão da obra, com previsão para o primeiro semestre de 2020, segundo a Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH), a população de Santarém e de outros municípios da região terão melhora significativa na mobilidade, além de haver redução nos custos no transporte de mercadorias escoadas para abastecimento de comércios.

No Brasil, a maioria dos Estados depende do transporte rodoviário e ferroviário (as hidrovias são a menor porcentagem). No Pará, ainda que boa parte dos rios não sejam inteiramente navegáveis, existe um potencial que está sendo melhor explorado, especialmente para a circulação interna de passageiros. De acordo com a CPH, diferente de outros estados do país, o Pará tem vocação natural pela malha de transporte hidroviário.

Para o prefeito Nélio Aguiar, que esteve acompanhando a vistoria às obras no terminal, nessa terça-feira (13), ao lado do governador Helder Barbalho, esse investimento vai beneficiar não somente Santarém, mas todos os municípios da região.

"Santarém é uma cidade polo em turismo, educação e, também, no comércio. Esse terminal hidroviário vai ajudar muito a desenvolver a economia do município e da nossa região, pois recebemos embarcações de linhas intermunicipais e interestaduais, do Amapá e do Amazonas, por exemplo. Eu acredito que esse equipamento vai alavancar muito a economia de Santarém, que já é pujante", avaliou Nélio Aguiar.

Na opinião do gestor, o turismo é, também, outro setor que só tem a ganhar com a instalação do terminal. "Historicamente sempre tivemos uma demanda imensa, mas não tínhamos a estrutura adequada para operar tanto cargas, quanto passageiros. Agora sim, essa obra vai atender dignamente as necessidades da população, dos trabalhadores e de outros setores", argumentou o prefeito.

Terminal será um dos mais modernos do Brasil

Segundo a Companhia de Portos e Hidrovias do Estado (CPH), depois de concluído, o espaço deve movimentar em média de 50 a 60 mil passageiros por mês, além suprir definitivamente a demanda de trabalhadores, donos de embarcações e da população da região que usa o modal hidroviário.

O terminal de cargas terá 5,6 mil metros quadrados de área para uso das empresas de transporte. Já o terminal de passageiros terá 3,6 mil metros quadrados de área construída. O local será totalmente climatizado e contará com sala de embarque e desembarque de passageiros; guichês para venda de passagens; guarda-volumes; banheiros; fraldário; praça de alimentação com 404 lugares; área de espera com 801 lugares; espaço para órgãos intervenientes, como a Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado (Arcon) e Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq); quiosques de informações; lojas; escada rolante, lanchonetes e plataforma vertical.

Na área de estacionamento serão 120 vagas para carros, 90 para motos e 60 para bicicletas. O terminal contará, também, com ponto de táxi e paradas para ônibus e microônibus. Na parte naval, as equipes trabalham na construção de sete flutuantes, que irão compor o píer que servirá de "estacionamento" para as embarcações, inclusive com leitura da subida e descida do nível do rio.

A estrutura naval contará, ainda, com 300 placas de captação de energia solar que farão a alimentação da climatização do corredor de passageiros, garantindo acessibilidade e conforto da saída das embarcações até a área de embarque, além de oito fíngers de atracação (quatro por 12 metros), que garantirão a atracação de até 17 embarcações simultâneas.

Para o governador do estado, Helder Barbalho, o terminal permitirá com que Santarém se consolide como polo de desenvolvimento, atraindo oportunidades aos outros municípios do Baixo Amazonas. "Esse terminal hidroviário de Santarém representa, seguramente, um equipamento extraordinário. Primeiro, para as peculiaridades da região. As regiões se conectam pelos rios e Santarém, como cidade polo, recebe e exporta pessoas e produtos, que aqui consomem e por aqui se distribuem, para as diversas cidades que margeiam o Baixo Amazonas. Além disso, com a entrega desse equipamento, permitiremos que Santarém possa se consolidar na rota do turismo da região, garantindo que a rota de transatlânticos e grandes embarcações possam estar aportando em Santarém, tendo o privilégio de experimentar a beleza e degustar da culinária", analisou.

Samuel Alvarenga Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação