Notícias

Atualizado em 08/08/2019 às 18h13

Atendimentos da UBS 24h de Alter do Chão estão sendo realizados no prédio do antigo CRAS


Dayane Lima: segurança e manutenção dos atendimentos. Desde o último dia 26 de julho, o prédio da Unidade Básica de Saúde 24h de Alter do Chão está desativado. Ele passou por uma inspeção técnica da equipe de engenharia da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que decidiu pela desativação da estrutura física. O Corpo de Bombeiros, a pedido da Semsa, também realizou inspeção técnica no prédio e ratificou a decisão dos técnicos da Secretaria. A decisão de desativação da Unidade foi realizada em comum acordo com a comunidade local e suas lideranças, que também participaram da reunião de avaliação. A população não ficou desassistida e os serviços estão sendo oferecidos no prédio do antigo Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), localizado na Trav. Antônio Lobato, próximo ao terminal rodoviário da Vila. A população pode contar ainda com atendimento na recém-inaugurada Unidade Básica de Saúde (UBS), localizada no bairro Nova União.

A recém-inaugurada UBS do bairro Nova União é um prédio novo que dispõe de todos os serviços da atenção básica de saúde pública, como imunização, curativos, consultas médicas e de enfermagem, dentre outros. "A desativação foi definida pela Semsa e a comunidade, levando em consideração o parecer de sua equipe técnica de engenharia que detectou riscos na estrutura do prédio. O prédio passa por avaliação técnica para elaboração de projeto. Enquanto isso, os atendimentos e serviços estão sendo realizados no prédio do antigo Cras. Também temos nossa UBS novinha no bairro Nova União. Essa informação já foi amplamente divulgada pela rádio de Alter do Chão", disse a titular da Semsa, Dayane Lima.

UBS do bairro Nova União dá suporte em Alter do Chão.A equipe de engenharia da Semsa já vem trabalhando em um parecer técnico para definir qual o tipo de serviço que deve ser feito no prédio. Mas, pelas análises preliminares, o prédio deve ser demolido para a construção de um novo, já que o terreno foi mal compactado, é alagadiço e, por conta disso, houve o surgimento das rachaduras, o que indica que serviços paliativos no local não resolveriam o problema. A equipe da Semsa vem realizando visitas técnicas avaliativas e já vem trabalhando em um projeto para a obra.

A secretária de saúde, Dayane Lima, informou ainda que se fosse apenas questão de reforma, seria mais fácil e rápido para ser resolvido, mas como o parecer técnico da engenharia afirma que deve ser preciso ser feita a reconstrução do prédio, irá leva um pouco mais de tempo para que o seu funcionamento seja restabelecido. "Teremos que trabalhar em um projeto, fazer os orçamentos necessários e buscar recursos junto aos governos federal e estadual, com a contrapartida do município. Isso, infelizmente, leva um pouco mais de tempo, mas é necessário para não colocarmos a vida da nossa população em risco e darmos maior conforto e segurança aos nossos usuários e colaboradores", argumentou a secretária de Saúde.

Segundo Dayane, tudo está sendo trabalhado para que o problema seja resolvido num espaço curto de tempo. "Estamos agilizando todos os processos para que possamos resolver essa situação o quanto antes", garantiu Dayane Lima.

Dayse Lima Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação