Notícias

Atualizado em 05/02/2018 às 18h41

Comerciantes são orientados quanto aos cuidados do uso de som amplificado no centro de Santarém


"Ao longo desta semana a Semma realizará atividades de educação ambiental junto aos comerciantes"

Quem vai ao centro comercial de Santarém está tendo que enfrentar o problema de poluição sonora provocada por caixas de som amplificadas. A fim de atrair clientes, donos de estabelecimentos acabam fazendo propaganda na porta dos seus estabelecimentos, mas colocando o som a cima do permitido o que é crime ambiental. A Câmara de Dirigentes Lojistas de Santarém (CDL) apresentou, em janeiro deste ano, levantamento que detectou 33 pontos críticos quanto à poluição sonora.

Foi observando essa situação que a  Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), realizou na manhã desta segunda-feira (05) reunião com comerciantes do centro comercial do município. O encontro foi no auditório do Centro Municipal de Educação e Informação Ambiental (Ciam).

A secretária de meio ambiente, Vânia Portela, destacou que inicialmente está orientando os empreendedores para a adequação ao serviço. "Inicialmente estamos trabalhando de forma preventiva, pontuado as consequências do punitivo. A Semma não tem a intenção de punir com multa os empreendedores, mas orientar e educar para os cuidados com o meio ambiente".

O gerente de loja Waldir Oliveira afirmou que o encontro vai ajudar no aperfeiçoamento das vendas. Para ele, é necessário que todos os comerciantes revejam a forma como estão lhe dando com a questão sonora e o cliente deve estar sempre em primeiro lugar: "A reunião veio nos ajudar mostrando sobre o modo como estamos trabalhando. Muitas das vezes temos o foco em apenas produzir, mas não estamos atentos se acabamos causando algum problema como a poluição sonora. Então, viemos para nos adequar, ficando atentos as essas informações para melhorar o atendimento ao cliente no meio comercial do município".

A partir desta terç-feira (05) até a sexta-feira (09), equipes de educação ambiental da Semma realizarão atividades no centro comercial, quando técnicos irão de loja em loja fazer a distribuição de material informativo e orientações corpo a corpo quanto aos prejuízos provocados por som a cima do permitido.

Poluição sonora é crime ambiental. O criminoso está sujeito à pena de multa que varia entre R$ 1 Mil e 225 Reais a R$ 490 Mil Reais, bem como a apreensão do equipamento.

Júlio C. Guimarães Agência Santarém

Prefeitura de Santarém - Coordenadoria de Comunicação